Universidade Federal do Ceará - Centro de Tecnologia - Campus do Pici - Bloco 710
Nos ligue (85) 3217-1282
16 dez
Pesquisa vai investigar situação de mulheres que tiveram filhos no período de distanciamento social em Fortaleza

A pandemia mudou a rotina de muita gente, o que teve impacto nos cuidados com a família, com a casa e com nossa saúde, especialmente a saúde mental. Pesquisa do departamento de Saúde Coletiva da UFC vai investigar os efeitos do distanciamento social sobre a saúde mental de mulheres que tiveram filhos recentemente, os cuidados com a criança recém-nascida, incluindo padrão de aleitamento materno e cuidados com filhos menores de 6 anos.

O estudo vai entrevistar 550 mães de Fortaleza que tiveram filhos entre julho e agosto de 2020. “Será uma oportunidade de investigar como está a mente dessa mulher. Na primeira fase, vamos sondar como foi a vida durante a pandemia, se ela continua trabalho, se teve apoio nos cuidados com os filhos, se teve acesso à rede de saúde e como ficou o cuidado com outras crianças”, detalha a professora Márcia Machado, uma das coordenadoras da pesquisa. As mães entrevistadas serão escolhidas por meio de sorteio nas seis regionais da Capital.

A pesquisa tem financiamento da Fundação Cecilia Souto Vidigal e do programa Cientista-Chefe, da Funcap, e conta com apoio administrativo-financeiro da Fundação ASTEF. Coordenam a pesquisa as professoras doutoras Márcia Maria Tavares Machado e Márcia Caldas de Castro.

A professora Márcia Machado explica que a proposta é realizar um estudo longitudinal, ou seja, avaliar as mães frequentemente durante vários anos a fim de verificar possíveis mudanças. Além de analisar fatores comportamentais como ansiedade, medo e resiliência diante da situação de pandemia, a pesquisa busca verificar o acesso das mães aos serviços de saúde. “É uma espécie de termômetro de como se comportam mulheres e crianças num período de pós-isolamento”, resume a professora Márcia Machado, do departamento de Saúde Coletiva da Faculdade de Medicina da UFC.

A pesquisadora aponta o ineditismo do estudo e a importância da realização de tais investigações em um país como o Brasil, de grandes desigualdades. Ainda segundo ela, é essencial entender como as políticas públicas podem se conformar para minimizar os efeitos da pandemia entre a população mais vulnerável.

Primeiros Resultados e Perspectivas

Nessa primeira fase da pesquisa, o objetivo é entrevistar mulheres ainda em 2020 e, novamente, daqui a um ano. Segundo Márcia Machado, porém, a ideia é expandir o estudo a fim de acompanhar 24 municípios cearenses, com famílias que recebem, além do Bolsa Família, o benefício estadual Cartão Mais Infância. “Isso vai sinalizar para o Estado onde continuar investindo, quais programas são prioritários, se vale a pena investir em agentes comunitários para atender essas famílias e sobre o uso de novas tecnologias como o WhatsApp para monitorar as condições de vida”, aponta a pesquisadora, que realizou pós-doutorado na Escola de Saúde Pública de Harvard.

Um primeiro diagnóstico já foi realizado com grávidas de Fortaleza e detectou mudanças comportamentais no período de isolamento. “Percebemos que mães que moram com o companheiro, por exemplo, tiveram menos transtornos emocionais, principalmente no que diz respeito ao nível de ansiedade”.

A professora ressalta a importância desse dado, tendo em vista os altos índices de “mães solo”, o que suscita debates sobre a necessidade de trazer os homens para mais perto dos cuidados com as crianças. Márcia faz a ressalva de que outros estudos apontaram aumento de violência contra crianças e adolescentes nesse período.

“A pandemia teve impacto nas relações parentais. Muitos pais tiveram de ficar em casa e isso, de alguma forma, teve um aspecto positivo, pois eles passaram a dividir as tarefas de casa. Se, por um lado, houve um impacto positivo da fixação do homem em casa, também é importante detectar se houve aumento de casos de violência intrafamiliar, violência contra crianças nesse período de pandemia e de distanciamento social”, detalha.

14 dez
Abertas inscrições para especialização em Gestão de Trânsito e Transportes Urbanos

A Universidade Federal do Ceará, em parceria com a Fundação FASTEF, lança as inscrições para seleção de candidatos ao Curso de Especialização em Gestão de Trânsito e Transportes Urbanos, na modalidade presencial. Durante o período de pandemia da Covid-19, as aulas terão formato híbrido, seguindo todo o protocolo de segurança necessário.

São oferecidas 44 vagas para profissionais com graduação em Ciências Contábeis, Direito, Administração, Psicologia, Engenharia, Economia, Atuária, Secretariado e outras áreas afins. Desse total, 10% são destinadas para os servidores técnico- administrativos ou docentes da UFC em forma de concessão de bolsa de estudos.

O curso tem duração de 24 meses, com 464 horas/aula, em regime de tempo parcial, funcionando às segundas e terças-feiras, das 18h às 22h. A previsão de início das aulas é 16/03/2021.

As inscrições estarão abertas de 14/12/2020 a 26/02/2021. Para se inscrever é preciso preencher a ficha de inscrição no seguinte endereço:

www.si3.ufc.br/sigaa/public

(Selecione a aba “Processos Seletivos – lato sensu”)

O objetivo do curso é capacitar os participantes para atuar na área da Gestão de Trânsito e Transportes Urbanos através do aprendizado de técnicas atuais de planejamento e operação de sistemas de trânsito e transportes, além do desenvolvimento do conhecimento proveniente da troca de suas experiências profissionais e da análise de problemas dos sistemas locais.

Mais informações sobre o curso podem ser acessadas no edital, disponível para download mais abaixo:

Edital de Seleção_EspecializaçãoGTTU_2021_Final

Page Reader Press Enter to Read Page Content Out Loud Press Enter to Pause or Restart Reading Page Content Out Loud Press Enter to Stop Reading Page Content Out Loud Screen Reader Support

antalya duvar kağıdı pubg mobile uc pubg mobile uc